A manhã estava fria e uma nuvem de vapor tornava tudo difuso naquele manto branco.

A névoa do amanhecer na mata traz um frio que incomoda a quem não está acostumado.

A névoa do amanhecer na mata traz um frio que incomoda a quem não está acostumado.

O sol ainda não nascera, mas sua luz já banhava preguiçosamente toda a mata. Tata-saru aproximou-se de Raimundo e sacudiu a rede onde ele dormia. Estremunhado, o “coroné” abriu os olhos e mirou o índio.

— Homem branco — disse Tata-saru — deves levantar cedo. Começa, hoje, teu ritual de casamento. Deves ir para a mata e caçar cinco caititus. Tens até o meio-dia para isto. Se não o fizeres, perderás a honra e não serás digno de ser oferecido aos Encantados do Parnaíba. Então, morrerás sob desonra. Anda! Eu torço por tua vitória, mas não podes contar com a ajuda de nenhum de nós. Levarás tua jacu-cangá e a arma que desejares — arco, flecha, lança, tacape… O que pedires. Mais