VAMOS FALAR DA PSICOLOGIA DE CASAL (HOMEM-MULHER) IV

Deixe um comentário

ORISBVAL BRITO 1

No deserto que é a comunicação entre pessoas, eu pergunto: estou ajudando em alguma coisa a alguém?

Quando coloco no FACEBOOK e pago em dólar estadunidense para que o post seja divulgado, o Face acusa que mais de três mil e trezentas e vinte e oito pessoas leram o post no intervalo de cinco dias. Uma ninharia, visto que quando pago para divulgar críticas acerbas contra a polititicagem nacional, chego a atingir a cifra de quatorze mil, trezentas e quarenta e duas pessoas em dois dias. E haja comentários!  Muitos, chulos. Outros, sem coerência vernacular. Mas, enfim, comentários. Para escrever um artigo como este, tive de estudar cinco anos de Psicologia e praticar por 17 anos a Psicoterapia de Adulto, de Casal e de Grupo Familiar de segunda a segunda. Não foi pouca coisa. No entanto, é frustrante quando verifico o gráfico do WORDPRESS e vejo que ali se acusa a mísera quantidade de cento e dezessete visitantes e cento e oitenta e três visualizações e nenhum comentário, em qualquer dia da semana. Às vezes me sinto pregando no deserto…  Mais

MINHA LUTA COM MOGKULL, O VAMPIRO – PARTE I

Deixe um comentário

Este velho sou eu. Eu, que venho atracado com meu Mogkull desde quando nasci. Nunca o venci, mas ele também nunca me derrotou como gostaria…

Estou, meio contra minha vontade, tentando DE NOVO publicar uma produção literária minha. É uma saga sobre um vampiro. Mas não um vampiro fracote, que chora por amor, que se apaixona por uma mulher e que, pasmem, é capaz de copular e ter filhos. Nada disto. Um vampiro assim não é vampiro coisa nenhuma. Também não se trata de um vampiro que fez “opção sexual” invertida. Não, não. Vampiro é um ser MORTO. Logo, não pode se apaixonar nem, muito menos, ter “opção sexual” transviada. Ele não tem sexo. E não tem sexo porque não pode sentir PRAZER. É um MORTO que não pode descansar porque até na Morte ele é refugado.  E o Vampiro morre sempre que morre um ser humano; mas para sua infelicidade, ele renasce toda vez que nasce uma criança. E isto porque o Vampiro que é Vampiro de verdade vive no Ser Humano. Em seu mais profundo inconsciente tanto quanto no seu inconsciente superficial. Complicado? Não, nem um pouco. O Vampiro é o Mal que, desde quando o primeiro homem pisou na face da Terra, se abrigou como parceiro do Espírito Humano, para desespero deste. Ele estava lá, na forma da famosa cobra que tentou a Eva… Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CXXVII): O MILAGRE QUE NUNCA FOI REGISTRADO

Deixe um comentário

Yehoshua o doutrinador

“Ouvi, mas não me compreendeis. E, no entanto, sou claro como a água”.

Yehoshua se retirou, mas o povo permaneceu lá na encosta do promontório. A algazarra era grande. Muitos felizes porque tinham sido curados sem nem mesmo tocar em Yehoshua ou ser por ele tocado. Outros, revoltados porque continuavam tal qual tinham chegado. Todos, porém, procuravam acercar-se de um discípulo do Cristo buscando uma explicação para tudo o que tinha acontecido ali e que podia ser chamado de qualquer coisa, menos de falso.

No início os apóstolos se sentiram ansiosos e inseguros. O medo tomou de assalto o coração deles, e alguns até sentiram um impulso quase incontrolável de sair correndo e nunca mais retornar àquele lugar. O que poderiam fazer? Eles não eram curandeiros; não podiam fazer milagres. No entanto, as pessoas se fecharam tão firmemente ao redor de cada um, ansiosas seja por milagres que não tinham recebido, seja para agradecer pelo que lhes tinha acontecido de maravilhoso, ou seja para obter maior esclarecimento sobre o que tinham acabado de ouvir do Profeta, que eles tiveram de se sentar e tentar agir de alguma forma. E agiram. Começaram a falar sobre as palavras de Yehoshua e logo todos falavam com segurança e proficiência, para espanto deles mesmos. E os ouvintes se extasiavam com os ensinamentos que eles lhes davam. O maior e o melhor de todos era a orientação de como proceder daquele dia em diante para conseguir obter a graça de uma cura. Mudar os hábitos viciosos; mudar o modo de reagir emocionalmente diante dos percalços da vida; mudar o modo de ajuizar sobre os outros e por aí em frente. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CXI ): O QUE FEZ JUDAS ANTES DE SALVAR SEU MESTRE

Deixe um comentário

Iscariotes não gostava dos romanos, mas começa a a também não gostar dos rabis de Jerusalém.

Iscariotes não gostava dos romanos, mas começava a também não gostar dos rabis de Jerusalém.

Judas deixou Matilde com uma caravana que se dirigia a Jerusalém e foi-se encontrar com os outros discípulos do Mestre. Instruiu-os sobre onde encontrar Yehoshua e sem dizer para onde ia, apartou-se deles. Também de carona em uma caravana de sírios, foi para Jerusalém. Na cidade movimentada, onde todos os povos se encontravam, foi direto ao Templo onde se encontrou com Caifás. Mas este lhe ordenou que fosse à noite à sua casa. Precisavam de discrição. Afinal, a fama de Iscariotes não era nada edificante para um dignitário de Templo. Judas retirou-se do Templo e perambulou pelos arredores do palácio de Herodes, observando tudo e procurando ouvir o que se comentava. Falava-se muito de uma possível guerra entre romanos e os povos do Levante, mas Judas não viu grande agitação entre os soldados de roma. Talvez, como sempre acontecia, a boataria era somente isto: boato. O que lhe interessava não eram guerras entre estrangeiros, mas sim o que se podia falar sobre seu Mestre Yehoshua. Tinha presenciado os milagres dele e sabia que suas ações desagradariam profundamente os rabis do Templo de Jerusalém, visto que suas pregações iam frontalmente contra e até agrediam claramente as autoridades máximas do governo teocrata da cidade.

Judas buscara chegar a Jerusalém antes dos rabis que viriam com certeza de Cafarnaum e iriam direto envenenar os dignitários do Templo. Sabia que Yehoshua não era bem-quisto por eles porque toda vez que entrava numa sinagoga, até mesmo no Templo, para fazer pregação, não poupava ninguém e seus prediletos eram justamente os que mais tinham poder sobre todos: Caifás e Anás. O discípulo, a cada vez que presenciava um feito extraordinário de seu Mestre, mais convencido ficava de que ele poderia convocar milhares de arcanjos para lutar pelo povo de Israel. Era seu maior sonho. Era seu maior desejo: ver seu povo livre para sempre do poder romano. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – LXXVIII: ANTES DA VIAGEM DE VOLTA A JERUSALÉM

Deixe um comentário

Ele deixou o mosteiro silenciosamente e foi atrás das pessoas. Queria ensinar.

Ele deixou o mosteiro silenciosamente e foi atrás das pessoas. Queria ensinar. Tinha pressa.

Aquela manhã alvoreceu estranha. Os irmãos de Yehoshua não estavam na labuta diária e os monges, acostumados com eles, sentiram a falta. Um foi ter com Jeroboão, que lhe informou que os irmãos de Yehoshua estavam em retiro, só devendo sair dele após decorridos 13 dias de jejum. Neste tempo se alimentariam de água e… ar. Os monges sabiam que todos tinham de fazer jejum e já o faziam há bastante tempo. Mas treze dias só com água e ar? Ninguém tinha sido submetido a tanto. O monge retornou aos outros e lhes informou sucintamente do que tinha sabido. A faina continuou sem mais questionamentos. As mulheres também estavam na faina diária. Tudo parecia absolutamente normal. Mas Yehoshua não se encontrava em nenhum lugar no Templo. Ele havia saído bem cedo para ir à vila. Não dera seu paradeiro a ninguém e apenas Jeroboão podia sentir por onde ele andava naquele exato momento. Mas o ancião não falava sobre o que intuía ou sentia. Quando muito, sorria diante dos questionamentos que ouvia. Mais

E UM CARIOCA MORRE Á BALA NUM FUZILAMENTO INDONÉSIO.

Deixe um comentário

Jakarta, sobre a qual nós, brasileiros Zé Nings, não sabemos de nada.

Jakarta, sobre a qual nós, brasileiros Zé Nings, não sabemos de nada.

São 15:47h. Um brasileiro teve seu fio de vida encerrada por um pedacinho de chumbo disparado por um implacável fuzil indonésio. Ele Tentou contrabandear para aquele país 13 quilos de cocaína. Se fosse Ocultista teria entendido o aviso oculto, o Arcano 13, A Morte, e não teria cometido a empreitada suicida. Na verdade, o coitado era somente uma “mula”, adredemente escolhida pelos vampiros do Crime para tentar a invasão. Eles mandam descuidados e desprevenidos desocupados, principalmente gente como um carioca que, acostumado à vida descuidada e irresponsável que geralmente levam à beira-mar e nos bares, que pensam o mundo como extensão do “brasil” petralha, para a tentativa perigosa. Se não der certo, azar dele. Haverá sempre outro “otário” que irá tentar a empreitada por um punhado de dólares.

Mas a Indonésia não é extensão do “brasil” petralha. É uma nação mais adiantada em cultura e civilidade que nós. Mas onde fica e como se constitui este país?

A História da Indonésia é nebulosa e remonta aos séculos X e XI d.C. E tudo parece que começou quando os europeus deram início à sua busca afanosa de um caminho para as Índias a fim de conseguir incrementar o Comércio das tão famosas especiarias. Mais

%d blogueiros gostam disto: