A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CXII): YEHOSHUA PROVOCA DISCUSSÕES ENTRE O POVO

Deixe um comentário

Senador Romano em sua roupagem

Abel errou quando pensou ser capaz de bater-se em esperteza com o Senador Romano.

É domingo e Cafarnaum fervilha com os comerciantes ambulantes. Mas agora há um assunto novo, principalmente entre os hebreus e este assunto que polariza a atenção de fariseus e saduceus é o Deus de bondade que Yehoshua vem apregoando por todo lugar por onde passa. Devido aos milagres que ao seu redor acontecem aos montes, o povo anda muito inclinado a abdicar do Jeovah sanguinário, vingativo e discriminador. Mas não é só entre os hebreus que grassa a discussão sobre o desconhecido Deus de bondade que Yehoshua prega. A discussão é bem maior entre os goins. Eles também confrontam seus deuses com o Deus de Yehoshua e o choque entre estas entidades são fortes. 

Yoseph

Os trajes sempre foram os distintivos das classes sociais entre os humanos.

Caminhando lentamente por entre o povaréu, Abel aguça os ouvidos para ouvir o que é dito e seu coração está disparado, sua garganta seca e suas mãos suadas de ansiedade. Ele acredita que está coberto de razão. Yehoshua é mil vezes mais perigoso do que os rabis do Templo em Jerusalém podem suspeitar. Espertamente ele exerce seu ministério longe da capital e quase sempre não se serve de sinagogas. Quando faz isto é para jogar em ridículo qualquer rabi que esteja no parlatório cumprindo com seu dever. O destino de Abel é a mansão de Pôncio Pilatos onde está hospedado o Senador de Roma. Quer encontrar-se com o homem para avaliá-lo e às suas intenções com relação ao encontro com o agitador. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CXXVI): PERIGO MORTAL PARA YEHUDHAH.

Deixe um comentário

Eis o Temido Caifás, numa representação cinematográfica da atualidade.

Os rabis estavam desconcertados com o que acontecia na Palestina com a presença de Yehoshua.

Os dois sacerdotes permaneceram quietos e calados por muito tempo, depois da partida de Yehudhah, que se retirou sem os cumprimentar como era devido. Então, voltando-se para Yehosef bar Caiapha (Caifás), seu genro, Anás, o sogro, perguntou:

— Acreditas mesmo que esse assassino ainda nos é útil? Eu não gosto da arrogância dele. E pode parecer até perseguição de minha parte, mas acho que ele é capaz de atentar contra nossas vidas. Cada vez agrada-me menos encontrar-nos a sós com ele. Ele não é saduceu. Não pertence à nossa casta, mas sim à casta criminosa nascida no seio dos fariseus mais severos. E a casta a que pertence tu e eu não apoiamos. Ainda não sei a razão de o mantermos como nosso espião, pois ele cada vez me parece mais disposto a defender e proteger o agitador que, dizem, é um verdadeiro milagreiro. Não que eu me incomode com ser ele um milagreiro, pois que os há às centenas por nosso território e de todas as nacionalidades. Mas sim porque apregoa aos quatro ventos que os tais milagres que realiza ele os faz com o poder d’Aquele a quem diz que é seu pai: O Inominável e Inefável Criador de todas as coisas e de todas as vidas. Além de ser uma insuportável blasfêmia, o infeliz desdiz nossa Torá Oral. Isto é perigoso, pois é com esta que controlamos nossa gente. A maioria de nossa gente é iletrada, ignorante e temos de traduzir de modo bem simples os complexos ensinamentos de nossos Livros Sagrados. O homem é muito culto e muito versado nas coisas ocultas, pois que estudou em Hemi e tu e eu sabemos que aquele Mosteiro transmite conhecimentos muito além dos segredos que dominamos. Por isto mesmo, por ser muito versado nas coisas sagradas, ele é duplamente responsável pelo que vem fazendo. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CXI ): O QUE FEZ JUDAS ANTES DE SALVAR SEU MESTRE

Deixe um comentário

Iscariotes não gostava dos romanos, mas começa a a também não gostar dos rabis de Jerusalém.

Iscariotes não gostava dos romanos, mas começava a também não gostar dos rabis de Jerusalém.

Judas deixou Matilde com uma caravana que se dirigia a Jerusalém e foi-se encontrar com os outros discípulos do Mestre. Instruiu-os sobre onde encontrar Yehoshua e sem dizer para onde ia, apartou-se deles. Também de carona em uma caravana de sírios, foi para Jerusalém. Na cidade movimentada, onde todos os povos se encontravam, foi direto ao Templo onde se encontrou com Caifás. Mas este lhe ordenou que fosse à noite à sua casa. Precisavam de discrição. Afinal, a fama de Iscariotes não era nada edificante para um dignitário de Templo. Judas retirou-se do Templo e perambulou pelos arredores do palácio de Herodes, observando tudo e procurando ouvir o que se comentava. Falava-se muito de uma possível guerra entre romanos e os povos do Levante, mas Judas não viu grande agitação entre os soldados de roma. Talvez, como sempre acontecia, a boataria era somente isto: boato. O que lhe interessava não eram guerras entre estrangeiros, mas sim o que se podia falar sobre seu Mestre Yehoshua. Tinha presenciado os milagres dele e sabia que suas ações desagradariam profundamente os rabis do Templo de Jerusalém, visto que suas pregações iam frontalmente contra e até agrediam claramente as autoridades máximas do governo teocrata da cidade.

Judas buscara chegar a Jerusalém antes dos rabis que viriam com certeza de Cafarnaum e iriam direto envenenar os dignitários do Templo. Sabia que Yehoshua não era bem-quisto por eles porque toda vez que entrava numa sinagoga, até mesmo no Templo, para fazer pregação, não poupava ninguém e seus prediletos eram justamente os que mais tinham poder sobre todos: Caifás e Anás. O discípulo, a cada vez que presenciava um feito extraordinário de seu Mestre, mais convencido ficava de que ele poderia convocar milhares de arcanjos para lutar pelo povo de Israel. Era seu maior sonho. Era seu maior desejo: ver seu povo livre para sempre do poder romano. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – CII: A PREOCUPAÇÃO DE HERODES ANTIPAS.

Deixe um comentário

As crianças o buscavam naturalmente. E ele as acolhia com carinho e cuidado.

As crianças o buscavam naturalmente. E ele as acolhia com carinho e cuidado.

Yehoshua evitou Nazaré e, costeando o monte Tabor, encaminhou-se para Caná, que também evitou, rodeando-a e indo direto para Tiberíades, às margens do Mar da Galiléia. A noite já era avançada quando chegou à vila e a luz da grande lua cheia tornava a estrada algo fantasmagórica, mas o Mestre caminhava despreocupado e gozando da solidão e da beleza da luz que banhava suave e misteriosamente a Terra. A vila estava quieta e só de dentro das casas rústicas, com telhados planos feito de galhos aplainados e barro batido, saía a luminosidade das lamparinas de óleo de oliva ou gordura de animais. Yehoshua encaminhou-se para uma das casas e bateu à porta. Um homem grisalho, barbas longas, corpo musculoso e estatura alta, quase da altura de Yehoshua, abriu a porta e com a mão sobre os olhos tentou enxergar melhor a face do estranho à sua porta.

— Sou eu, Abdalaziz, Yehoshua. Podes abrigar-me em tua casa por esta noite?

O sírio abriu um grande sorriso ao reconhecer a voz de seu ex-empregado. Ele tinha uma pequena fábrica de vidros e Yehoshua trabalhara ali por algum tempo, quando era mais jovem e precisava ganhar o sustento para sua família, depois que seu pai havia falecido num acidente na construção de Cesaréia.

— Entra, Yoshua — era assim que a maioria dos gentios que habitavam as outrora terras de Zabulon e Nefthali chamavam a Yehoshua. — É sempre um prazer ter-te com minha família. Perdoa se já estão dormindo. É tarde e não esperávamos…

— Não te preocupes por isto, meu irmão. Quero apenas um lugar para dormir por esta noite. Estou de passagem e vou para Cafarnaum. Mas prefiro costear o mar ao abrigo do vento frio que sopra da terra para suas águas. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – XCVIX: NO TEMPLO

Deixe um comentário

Pilatos era mal-humorado. Andava magoado com a esposa contra a qual pesava a desconfiança de tê-lo traído no leito.

Pilatos era mal-humorado. Andava magoado com a esposa contra a qual pesava a desconfiança de tê-lo traído no leito.

O aviso dado por Pilatos deixou os sacerdotes do Templo de Jerusalém em polvorosa. Os membros do Sinédrio foram convocado às pressas. A pergunta angustiante era: O que quer o representante de Tibério com os rabis de Jerusalém? Quando reunidos e cessada a balbúrdia, um dos rabis se pôs de pé e pediu a palavra.

— É realmente preocupante o interesse do Tribuno romano em nós. Sabemos que eles não vêm aqui senão quando há má notícias para nosso povo e se este veio é porque se trata de algum assunto muito, muito sério. Só me passa pela cabeça um: o milagreiro filho do construtor Yoseph. Ele vem conclamando o povo à rebelião contra nós. Comete crimes contra nossas Leis, desobedecendo-as acintosamente. É manifestamente contrário às nossas práticas ritualísticas e influi danosamente na crença de nossa gente. Pior: diz-se filho do Altíssimo. Uma blasfêmia que não devíamos suportar de modo algum. E há muitos que acreditam que ele seja aquele que virá para nos salvar e nos tornar os senhores da Terra, como nos foi prometido. Ao menos já há murmúrios a este respeito entre o povo. Eu critico a leniência deste Sinédrio para com o rebelde, que para mim é estarrecedora. Resultado disto? Roma nos envia uma de suas mais altas autoridades e esta mal chega deseja um encontro conosco. Não é claro? A agitação do rebelde já deve haver chegado aos ouvidos do Imperador romano…

Uma grande bulha explodiu entre os sinedritas, todos concordando com as idéias do homem de barbas brancas e longas, olhar de mirada cortante e expressão de ira contida na face vincada pelo tempo. Arimatéia esperou que a bulha cessasse e, antes que o orador continuasse sua peroração, pôs-se de pé e pediu licença para contraditar o orador. Este voltou-se para ele, empertigado. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – LXXXIX: A DURA LIÇÃO AOS RABINOS.

Deixe um comentário

Quão longe de Deus está este pobre assassino muçulmano.

Quão longe de Deus está este pobre assassino muçulmano.

O rabi caminhava depressa, tendo ao lado o silencioso Yehoshua. Finalmente chegaram diante de uma casa de pedra cercada por um alto muro também de pedras. O portão rústico e pesado foi aberto e o rabi convidou Yehoshua a entrar. Ele se voltou para seus discípulos e ordenou:

— Voltai à praça. Há muitos irmãos nossos que ainda têm sede. Ide. Saciai-a. Reparti a platéia entre vós para que fique mais fácil agirdes livremente.

— Mas há um poço lá — falou impetuosamente Simão Barjonas.  — Qualquer um deles pode se saciar ali. Não vejo a razão…

O olhar chamejante de Yehoshua cravou-se na face se seu discípulo e este se encolheu, agastado.

— Não falo desta sede, Simão Barjonas. — Falo da sede que não se sacia com água. A sede que vistes nos que nos cercavam ainda há pouco. Ide, agora. Pregai entre eles a Verdade para que possam despertar a Verdadeira Fé em seus íntimos. Mais