A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CXIII): AS CURAS SE MULTIPLICAM

Deixe um comentário

APÓSTOLO PEDRO - SIMÃO BARJONAS

Cefas ou Simão Barjonas. Posteriormente, Pedro.

Yehoshua retomou a direção de Cafarnaum, mas não enveredou pela cidade, que fervilhava de gente vinda das redondezas, todas ansiosas para conseguir alguma cura para suas mazelas. Encaminhou-se para o morro onde havia feito sua pregação depois conhecida como O Sermão da Montanha. Mal o pequeno grupo chegou ao local e já uma romaria começava a se fazer presente. As pessoas pareciam formigas vindas de todas as direções. Quase todas eram gente pobre, com vestes sujas ou esfarrapadas. No entanto, era possível também enxergar abastados, pois estes vinham em liteiras ou cercados de empregados para os servir. Martha, Ruth e Míriam, as irmãs do Mestre; Míriam, sua mãe, e Míriam, sua esposa, também estavam ali. Tinham acompanhado toda a caminhada, mas eram as últimas do grupo, pois não conseguiam acompanhar o passo acelerado de Yehoshua. O Mestre esperou que elas se sentassem ao seu lado e bebessem a água que João lhes servia. Estavam sedentas. Yehoshua também notou que os homens, na multidão que se aproximava e se espalhava ao redor, buscavam obter os melhores lugares, os mais próximos dele e de seu grupo, e não se pejavam de empurrar com grosseria as mulheres, principalmente aquelas que traziam filhos nos braços. Muitas choravam e se desesperavam por não conseguirem chegar bem próximo de Yehoshua. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – LXXIX: AINDA ANTES DA VIAGEM DE VOLTA A JERUSALÉM

Deixe um comentário

Era chegado o dia do retorno e o Mestre dos Mestres parecia, aos mais chegados, um pouco triste..

Era chegado o dia do retorno e o Mestre dos Mestres parecia, aos mais chegados, um pouco triste…

A reunião aconteceu no grande salão de refeição. Nele, apenas as mulheres da família de Yehoshua e o ancião do Mosteiro, Jeroboão. Yehoshua falava.

— Hoje à noite, quando adormecerdes, esquecereis do que quer que tenhais recuperado de quem sois realmente. Não é bom para minha missão que alguma de vós esteja de posse de sua consciência total.

— Eu, também, filho? — A doce voz de Míriam não traía nem preocupação, nem contrariedade. Apenas serenidade e conformação.

— Vós também, mãe. Vosso elemental físico se apoderará novamente de seu controle sobre a vossa vida encarnada nele. Sereis a hebréia com as convicções dos hebreus. Até mesmo radical, como realmente sois devido à educação que vosso elemental físico recebeu. Nós nos desentenderemos várias vezes, mas não vos preocupeis, pois eu não terei qualquer mágoa de vosso gênio forte. Quanto às demais, sofrerão a mesma dominação e se tornarão apenas mulheres judias submetidas às Leis e aos costumes judaicos. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – LXXVII: YEHOSHUA DANÇA EM SEU ANIVERSÁRIO.

1 Comentário

Ele sabia ser feliz, mas quando seu dia de dor se avizinhava, não podia escapar a uma grande tristeza e à solidão que sentia cada vez mais crescer ao redor de si...

Ele sabia ser feliz, mas quando seu dia de dor se avizinhava, não podia escapar a uma grande tristeza e à solidão que sentia cada vez mais crescer ao redor de si…

O que foi mostrado aos irmãos de Yehoshua ninguém pôde ver, senão eles. O certo é que saíram da gruta totalmente transformados. Estavam envelhecidos, cabelos encanecidos, barbas embranquecidas e faces um pouco enrugadas. Mas no olhar de cada um deles via-se um quê de assombro, maravilha e reverência jamais vistos em ninguém. Entraram no Mosteiro com passos firmes, maneiras brandas e altaneiras. Jeroboão os observou de longe, em companhia de Míriam, a mãe. Ambos permaneceram silenciosos até que os irmãos de Yehoshua sumissem templo a dentro. Então, os dois se entreolharam e acenaram afirmativamente com as cabeças. Jeroboão desceu e foi ter com os irmãos. Eles estavam sentados nos almofadões, olhos fechados e expressão de grande inebriamento. O Rimpoche tocou no ombro direito de cada um e quando eles abriram os olhos convidou-os, com um aceno de cabeça, a acompanhá-lo em silêncio. Foram conduzidos para uma gruta de pedra, por onde desceram até um corredor iluminado por velas de cera grossas e compridas. Um a um eles foram introduzidos em pequenas celas, onde havia uma cama, uma jarra com água e grossos lençóis feitos com o couro peludo e curtido de iaques. As portas das pequenas e frias celas foram seladas e o rimpoche se retirou sem falar nada.

Yehoshua, por sua vez, só voltou a ser visto em Hemi à noite, na décima segunda hora. As últimas orações da noite tinham sido feitas e Jeroboão estava reunido com a mãe, a esposa e as irmãs do Mestre. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – LXXVI: A VISITA

Deixe um comentário

Hemi situava-se numa montanha, mas não tão íngreme quanto esta.

Hemi situava-se numa montanha, mas não tão íngreme quanto esta. Ao seu redor havia um pequeno povoado que tinha este nome.

Jeroboão ergueu-se de seu leito mal o róseo do amanhecer coloriu o céu. Era raro ele chegar até àquela hora deitado. Geralmente levantava-se ainda com o escuro da madrugada se espreguiçando sobre os picos nevados do Himalaia. Mas naquele dia saltou da cama um pouco mais tarde. Foi até o pátio e se pôs a fazer exercícios de combate. Com uma lança em mãos, movia-se com velocidade, saltava, agachava-se e desferia lancetadas em algum adversário invisível. O ancião de barbas brancas e de andar manso, agora era um tigre em movimentos rápidos e velozes. Uma transformação espantosa. Estava frio, como sempre, mas não havia neve. O ar era seco e queimava a garganta, quando se inspirava. No entanto, acostumado àquela condição dura do ambiente, Jeroboão não parecia sentir nada. E seu corpo era como uma pluma girando ao sabor do vento. Leve, livre, suave, erguia-se alto, rodopiava, estendia a perna direita num pontapé imaginário, caía de ponta-cabeça e rolava tão suavemente pelo chão que não deixava marcas do corpo na areia macia e escura. Ele só parou seu “combate” quando o primeiro monge surgiu de dentro do grande Templo, trazendo um pesado balde de madeira suspenso na mão direita. Jeroboão dirigiu-se para os fundos do mosteiro onde, em um grande cercado de toras de madeira firmemente coladas uma nas outras, havia água armazenada. Ele tomou de uma concha e jogou aquela água a quase zero grau sobre o corpo nu. Esfregou-se vigorosamente e passou pelo corpo algo como um pedaço de sabão. Não houve muita espuma, mas o perfume daquilo encheu o ar ao redor. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO LIX – JUDAS, O IRMÃO ENCRENQUEIRO, E BELPHEGOR, O DEMÔNIO.

Deixe um comentário

O Pacificador dos pacificadores não dobrou o mau gênio de seus irmãos.

O Pacificador dos pacificadores não dobrou o mau gênio de seus irmãos.

Fazia já nove meses que Yehoshua tinha partido. E durante todo este tempo as mulheres da família de Yehoshua progrediam nos ensinamentos ministrados pelos monges. Ruth era a mais querida de todos eles. Em segundo lugar vinha Míriam, a mãe, quieta, meditativa, prestativa e cada vez mais com um olhar aéreo, desligado do mundo que a rodeava. Parecia inundada de uma felicidade que ninguém compreendia, exceto Ruth. As duas eram carne e unha e se se quisesse encontrar uma, era só procurar pela outra. Até o Rimpoche já se tinha acostumado com isto.

Entre os homens, irmãos de Yehoshua, a discórdia era grande e a revolta também. Não abdicavam de modo algum de suas origens hebraicas e defendiam teimosamente a vinda de um Messias guerreiro para libertá-los dos kittins cruéis e detestados.

Naquela manhã Judas tinha sido designado a acompanhar um monge até o mercado para realizar as compras necessárias ao Mosteiro. Ele estava encarregado das mulas e do carregamento dos mantimentos. Ou seja, o trabalho mais pesado lhe cabia. Mais